quarta-feira, fevereiro 17, 2016

Rádio Terranova

É muito interessante o movimento que se está a criar em torno da Rádio TerraNova, na Gafanha da Nazaré. A antena de emissão foi destruída pelo temporal dos últimos dias e os ouvintes e simpatizantes da rádio estão a mobilizar-se para juntar a verba necessária para um novo equipamento. Faz lembrar os primeiros tempos das rádios locais em Portugal, quando as comunidades se envolviam desta e de outras formas para manterem a sua rádio, conscientes de que outra não faria o mesmo trabalho.

Dia da Rádio

A Rádio (no dia que hoje passa)
Celebrar a rádio é também mostrá-la às novas gerações. Nos tempos que correm, a rádio está longe, muito longe, dos mais novos. Não tem programas infantis ou educativos para uma faixa etária abaixo dos 15/16 anos. É pena, porque no passado foram espaços concorridos. Mas, o contexto mediático obriga a programações mais padronizadas e viradas para uma lógica correspondente às audiências.
E, no entanto, os mais pequenos ouvem rádio. A que têm, claro. No carro, quando vão para a escola, por exemplo. O som não deve ser ignorado como uma parte importante do desenvolvimento das crianças e a expressão através dele não pode ser esquecida como uma das melhores formas para as crianças contarem e recontarem o seu mundo. A rádio confere às crianças, em particular as de idade pré-escolar por ainda não terem adquirido a escrita e a leitura convencionais, um grau de autonomia assinalável quando se trata de terem contacto com os media. Através da oralidade, as crianças podem diretamente contar uma história, um acontecimento.
A rádio é, por isso, um excelente meio para promover a educação para os média em crianças de idade pré-escolar. Ouvindo-a e fazendo-a. A rádio tem histórias, música e voz. Ingredientes que podem facilmente ser utilizados por crianças para se expressarem, criarem e conhecerem o mundo que as rodeia.
Por isso, com a rádio é tão fácil criar momentos de aprendizagem com crianças pequenas. O Carnaval pode ser um excelente motivo para um programa de rádio, como fez a Ana Sofia Bastos com as crianças do Centro Social Diocesano de Santo António, em Portalegre.
(https://soundcloud.com/luis-bonixe/programa-de-radio-sala-7)
A rádio pode também ser um espaço de autocrítica das próprias crianças na promoção da cidadania e do respeito pelo outro, como fez a Inês Pinto que transformou as regras da sala do Centro Social e Jardim Infantil São Cristóvão num espaço sonoro. As regras que eles sabiam que não cumpriam! (https://soundcloud.com/luis-bonixe/programa-de-radio-final )
E a rádio, depois, dá-nos também momentos especiais como ver a surpresa de uma criança com deficiência auditiva quando escutou a sua própria voz amplificada num estúdio de rádio!

segunda-feira, outubro 05, 2015

Eleições ou futebol ? Os dois

Em dia de eleições e de futebol, a rádio aproveitou para potenciar a sua presença na Internet e duplicar a emissão. À mesma hora, a Antena 1 e a TSF asseguraram no canal hertziano a cobertura da noite eleitoral e no site os relatos dos jogos de futebol.


Não é a primeira vez que a rádio potencia esta possibilidade. Em 2007, a Antena 1 terá sido a primeira emissora a fazê-lo ao emitir em exclusivo os relatos de futebol da Taça da Liga, enquanto que a emissão seguia normalmente na rádio tradicional. Em 2012, também a TSF duplicou a emissão ao acompanhar no site e na rádio a abertura de Guimarães Capital Europeia da Cultura e o debate quinzenal a partir da Assembleia da República.

terça-feira, setembro 01, 2015

A rádio portuguesa segundo o GateScope

O relatório GateScope 2015 referente à rádio revela alguns dados muito interessantes sobre o setor em Portugal. Desde logo, vem confirmar (e desmentir os mais cépticos) que a rádio está a perder ouvintes. Pelo contrário, como se observa no gráfico:

Mas se este dado resulta como uma confirmação de outros relatórios que têm mostrado que as audiências de rádio se mantém estáveis, já os dados relativos ao investimento surpreendem pela positiva.
De acordo com o estudo GateScope 2015, o investimento global na rádio em Portugal atingiu no último ano o valor mais alto dos últimos dez anos.


O relatório pode ser consultado neste link.

O podcasting em Portugal, no P3

Um trabalho de Ana Maria Henriques para ler aqui: Podcasts: quem diria que um dia seriam um sucesso em Portugal?

quinta-feira, julho 30, 2015

Rádio em Portugal e no Brasil: trajetória e cenários


"Apesar dos discursos que hoje defendem a caducidade da rádio enquanto meio de comunicação, pretensamente suplantado por outros veículos mais sofisticados, em todos os capítulos se parte do princípio de que a rádio é ainda um meio vivo, pertinente e necessário. Mesmo que outros meios possam até revelar-se mais eficazes a difundir e fazer circular informação, nenhum outro como a rádio nos proporciona a experiência de ouvir. "

Leitura:

Oliveira, M & Prata N. (2015) Rádio em Portugal e no Brasil: trajetória e cenários. Ebook. Disponível aqui: 

http://www.lasics.uminho.pt/ojs/index.php/cecs_ebooks/issue/view/179/showToc

segunda-feira, junho 29, 2015

Leituras

Está disponível o livro Metodologias Participativas. Os media e a educação, organizado por Maria José Brites, Ana Jorge e Sílvio Correia Santos e que vem na sequência do Projeto RadioActive.
O livro contém vários artigos sobre a rádio, educação e cidadania da autoria dos próprios coordenadores do livro, de Paula Cordeiro, Luís António Santos, Fábio Ribeiro, entre outros.

Contribuo com o artigo "A rádio, o som e a infância – o relato de experiências de programas de rádio elaborados por crianças do pré-escolar" que contou com a participação de crianças do jardim de infância do Atalaião, Portalegre e de alunos do curso de Jornalismo e Comunicação da ESE de Portalegre..


Leitura: Brites, M.J et. al. (org.) (2015) Metodologias Participativas. Os media e a educação. Livros Labcom.

O download gratuito pode ser feito aqui: http://www.livroslabcom.ubi.pt/pdfs/20150629-2015_10_metodologias_participativas.pdf