sexta-feira, dezembro 29, 2006

2007 segundo a Renascença e 2006 segundo a Cadena Ser

Dois trabalhos para ouvir (e ver) no site da Renascença que perspectivam como vai ser 2007. Aqui e aqui.

E como foi 2006 no site da Cadena Ser. Resumen del Año

Um Bom Ano para todos.

sexta-feira, dezembro 22, 2006

A campanha presidencial na rádio e na TV

O Diário de Notícias publica hoje um texto com as principais conclusões da Tese de Mestrado da jornalista Sandra Sá Couto. A investigadora analisou os noticiários das 20h00 das televisões RTP, TVI e SIC durante a última campanha eleitoral para a eleição do Presidente da República.

São interessantes as conclusões no que diz respeito à cobertura feita pela televisão, na medida em que algumas delas coincidem com um estudo que realizei e do qual resultou uma comunicação que apresentei no II Seminário Internacional de Jornalismo e Actos de Democracia que decorreu em Novembro, em Lisboa.

Analisei os noticiários das 9 horas das rádios Renascença, TSF e Antena 1 nos últimos dez dias de campanha. O meu trabalho não tem, como é óbvio, a dimensão de uma tese de mestrado, mas mesmo assim é interessante verificar que alguns dos resultados obtidos em relação à televisão também ocorreram na rádio.

Por exemplo:

O candidato Mário Soares foi aquele que mereceu mais tempo para a cobertura dos seus actos de campanha. Sucedeu na Televisão, conforme é dito no texto do DN, e na Rádio: 21,20% do tempo dedicado pelas três rádios à campanha eleitoral foi ocupado para noticiar informações sobre o candidato apoiado pelo Partido Socialista.

Sandra Sá Couto concluiu, entretanto, que foi com o candidato Cavaco Silva que os jornalistas das televisões preferiram abrir os noticiários das 20h. No caso da rádio é diferente, pois raramente RR, TSF ou Antena 1 abriram os noticiários das 9 com informações sobre a campanha. Contudo, no espaço dedicado à campanha no interior do noticiário, foi uma vez mais Mário Soares que mais vezes teve honras de abertura.

Outra semelhança tem a ver com o nível de mediação. Quer na televisão, quer na rádio o tempo dedicado para a emissão da voz dos candidatos é inferior à dos jornalistas. Há, porém, um dado que diverge de acordo com a notícia do DN. Se na televisão é frequente passar nas reportagens excertos de apoiantes, na rádio isso é praticamente inexistente. Excepção do candidato Mário Soares, cujos soundbites rivalizam com o dos apoiantes. Isto tem a ver com facto da rádio se ter “colado” ao discurso produzido nos comícios e de a partir de determinada altura o candidato apoiado pelo PS ter tido a seu lado elementos do Governo. Os jornalistas da rádio optaram por passar os excertos dos ministros em detrimento dos do candidato.

Outra semelhança tem a ver com o conteúdo das peças. Tal como na televisão, na rádio os jornalistas privilegiaram a estratégia e as críticas entre candidatos.

Por fim, também na rádio, Garcia Pereira foi o candidato menos noticiado.

terça-feira, dezembro 19, 2006

quarta-feira, dezembro 13, 2006

Outros tempos ...

Chegou-me às mãos (Obrigado Sarah) uma das edições do dia 2 de Maio de 1945 do britânico Daily Mail. O jornal fala da morte de Hitler e o que salta à vista são as frequentes referências à forma como a rádio deu a conhecer ao mundo aquele facto, demonstrando que se tratava, na época, do principal meio de comunicação de massas.

Num artigo intitulado "Wagnerian concert of Death - 90 minutes of radio suspense" é feito o relato de como a rádio alemã deu a notícia ao Mundo.

"While the world waited in suspense, the solemn music of Wagner rolled out from the last stations of the Reich". A Rádio alemã esteve das 21 às 22h25 a adiar a notícia, lê-se no Daily Mail. Entre os frequentes avisos, "Achtung, achtung !", a rádio ia passando Wagner.

Depois noticiou: "(...) our Führer has fallen this afternoon in his command post in the Reich Chancellery fighting to his last breath against Bolshevism".

segunda-feira, dezembro 11, 2006

Que papel para a rádio informativa ?

A opinião é unânime: "É na televisão que as pessoas têm o seu primeiro contacto com a informação, porque lêem poucos jornais". A conclusão é dos próprios directores da área informativa da RTP e da SIC.

Se é assim, que papel cabe à rádio informativa, tendo em conta que:

“La rádio será, pues, la primeira en suministrar la «primera notícia» de un acontecimento y ésta es una de las principales características del periodismo radiofónico” (Prado, 1985: 23).

“Rádio news is everywhere – in the car, at home, in offices, on the street, in restaurants and stores – everywhere” (Bartlett, 1995:30).

Conceitos de rádio desactualizados ?

quinta-feira, dezembro 07, 2006

Mais sobre o novo RCP

A conta gotas vamos conhecendo mais alguns pormenores acerca do projecto do novo Rádio Clube.

No programa Clube de Jornalistas, Luís Osório, director da estação, para além de ter adiantado o nome do pivot das manhãs informativas, João Adelino Faria, que será também director-adjunto, anunciou que já foi contratado outro jornalista para as noites, que Osório pretende que sejam "um espaço nobre e de culto na rádio em Portugal".

Outra informação que me parece relevante é o facto do Rádio Clube passar a desdobrar as suas emissões em programas locais a emitir, entre as 12 e as 17h, em cada uma das emissoras locais pertencentes ao RCP.

De acordo com o jornal Público, as manhãs informativas do Rádio Clube vão estender-se até às 12h, quando o mais comum é terminarem depois do noticiário das 10h.

Julgo, contudo, que o mais importante é verificar o que o Rádio Clube fará na prática com tantas ideias e em relação a um aspecto em particular: as potencialidades do meio Rádio para marcar a agenda do dia.

Ribeiro Cardoso, o pivot deste programa do Clube de Jornalistas, introduziu o tema: As rádios abrem noticiários com as manchetes dos jornais. Osório concordou: "A rádio deixou de ter notícias próprias. A agenda da rádio é a agenda das agendas".

É injusto generalizar, mas em boa parte isso sucede e, por isso, a verdadeira pedrada no charco na informação radiofónica em Portugal, julgo, deverá passar por inverter esse cenário.

quarta-feira, dezembro 06, 2006

João Adelino Faria no RCP

A informação está no site do Clube de Jornalistas. A tal figura de referência do jornalismo português a contratar para as manhãs do Rádio Clube é João Adelino Faria.

O programa do Clube de Jornalistas de hoje é dedicado à importância da informação na rádio. Foi na gravação do programa que Luís Osório revelou que JAF seria o pivot das manhãs do Rádio Clube. O programa começa, mais ou menos, às 23h30.

Leituras

Duas comunicações sobre podcasting apresentadas no III Congresso Online do Observatorio para la Cibersociedad que terminou no passado dia 3 de Dezembro.


Podcasting: origem, tendências e influência em uma comunicação mais livre da autoria de José António Gelado, considerado o primeiro podcaster espanhol.

Podcasting:uma nova forma de transmitir a informação da autoria de Joan Frígola Reig.

terça-feira, dezembro 05, 2006

RTP cria conteúdos para cegos

É uma iniciativa que se saúda. O site da RTP passou a incluir uma versão áudio de alguns dos seus conteúdos para pessoas com necessidades especiais.

A notícia vem na newsletter do Meios e Publicidade:
De acordo com as informações avançadas pelo operador de serviço público, o serviço ontem estreado, e que não requer qualquer tipo de instalação, “consiste na vocalização dos conteúdos apresentados no normal formato de texto, referindo-se portanto a notícias, programações de televisão e rádio e outros conteúdos“.

Os conteúdos estão aqui.

domingo, dezembro 03, 2006

O primeiro ano

Assinalo hoje o primeiro ano de vida deste blogue. Agradeço a todos os que por aqui têm passado.

sábado, dezembro 02, 2006

A Renascença, o aborto e o jornalismo

Seria de esperar que um tema como o referendo ao aborto suscitasse uma série de debates paralelos relativamente à matéria principal. E um desses debates será (e já está a ser) a forma como os media fazem a sua cobertura noticiosa.

A Rádio Renascença optou por assumir publicamente a sua posição que é próxima à da Igreja Católica, o que naturalmente (digo eu) não surpreende. A posição tomada numa nota que está disponível no site da emissora suscitou algumas reacções que julgo poderem dividir-se em duas visões:

A primeira tem a ver com o tornar claro aos olhos da opinião pública as mensagens difundidas, neste caso, pela Rádio Renascença. Ou seja, se a emissora assume uma determinada posição numa questão, então as mensagens por ela difundidas passam a ser melhor percepcionadas pelos ouvintes em face desse posicionamento. E quem não gosta muda de canal.

A segunda tem mais a ver com a preservação de um conjunto de valores (alguns deles considerados sagrados) da classe jornalística. Quer isto significar que os meios de comunicação social existem para informar e não para tomar posições acerca das matérias.

A Renascença quer estar nos dois lados da questão. Ou seja, por um lado assume-se como defensora do Não, mas por outro refere que Nos seus espaços informativos, a Renascença actuará com a objectividade própria dos meios de comunicação social. Saberá, por isso, ouvindo as diversas partes, distinguir factos e propaganda; notícia e opinião.

Será isto possível?

A cobertura que a RR tem feito ao acontecimento em termos informativos sugere-me três tendências:
1 – o tratamento seguindo uma perspectiva religiosa do tema divulgando com frequência a posição da Igreja Católica. Dois exemplos:
Primeiro , Segundo .
2- reforço da perspectiva do Não, por exemplo no dia da aprovação da proposta de referendo no parlamento, no noticiário das 18h ouviram-se declarações de deputados do PS que votaram contra e de seguida a RR deu conta de uma nota de D. José Policarpo;
3- posição favorável ao Não manifestada, em espaços de opinião, por jornalistas com responsabilidades editoriais. Por exemplo a opinião da editora de política, Angela Silva.

Deve-se, contudo, fazer notar que a cobertura noticiosa que a Renascença fez no passado dia 29 durante o noticiário das 20h, em que acompanhou a comunicação do Presidente da República, em nada ficou a dever à da TSF e Antena 1. Directo da comunicação de Cavaco Silva e depois uma ronda pelas principais reacções, do Sim ao Não e da esquerda à direita.

Para acompanhar esta matéria aqui, aqui e aqui .