quinta-feira, julho 19, 2012

Pluralismo nas rádios locais




Não era difícil de perceber que a atual Lei da rádio não augurava nada de bom para o jornalismo radiofónico, em particular nas emissoras locais.

Assim que se retiraram as limitações impostas pela anterior lei no que diz respeito à classificação de rádios  temáticas, era evidente que as empresas de radiodifusão local procurariam mudar a sua classificação para temática musical. Ora, como só estão obrigadas a emitir blocos de informação as rádios locais generalistas ou temáticas informativas, o cenário da informação nas emissoras locais ficou naturalmente mais pobre.

Não era nada que não se previsse, pois já  a anterior lei da rádio tinha aberto essa possibilidade, mas com uma restrição: só poderia mudar de classificação para temática musical, uma rádio localizada num concelho onde a outra emissora se mantivesse generalista. Assim, assegurava-se que pelo menos uma delas teria informação jornalística. A atual lei anulou esta restrição.

Numa tentativa de minimizar os prejuízos, a ERC propõe uma diretiva sobre a promoção da diversidade informativa nas rádios. O projeto da diretiva pode ser consultado aqui e estará em discussão pública até 30 setembro.

1 comentário:

César Granjeio disse...

A ERC está, mais uma vez, a tentar tapar o sol com a peneira. Depois de verificarem o erro gravíssimo que cometeram, ao aprovar a nova Lei da Rádio, e após o despedimento de que foram alvo dezenas de animadores e jornalistas das Rádios Locais, a ERC vem tentar livrar a face das críticas que se seguiram. De que modo vem esta directiva evitar que os despedimentos continuem? Como pode a ERC evitar que um qualquer jornalista, em Lisboa, pesquise notícias de um determinado concelho, as grave e as ponha no ar, algumas até intemporais, que dão para uma semana inteira? Não terá a ERC capacidade de obrigar os lobies a readmitir os profissionais que lançaram no desemprego? Não será a ERC capaz de obrigar os grandes grupos a manter as emissões locais, com noticiários a sério? Não é com diretivas que as coisas se resolvem, é com acções e com coragem de enfrentar os "tubarões".