segunda-feira, junho 25, 2007

Revista JJ


Saiu o númeo 30 da revista JJ do Clube de Jornalistas. Nesta edição encontro vários artigos que têm a rádio como tema principal ou que a abordam de forma indirecta.

O tema de abertura "Cooperativismo: Desafio ou Utopia ?" da autoria de Helena de Sousa Freitas faz uma viagem ao mundo das cooperativas de jornalistas. A autora dá especial enfoque ao caso da TSF.
É de lembrar, ainda, que a maior parte das rádios locais portuguesas possui aquele modelo de gestão, ou seja, são cooperativas de radiodifusão.
Sobre a TSF, pode ler-se no artigo:
"(...) o modelo de uma cooperativa era o mais democrático, pois cada um dava a sua opinião e o seu voto em todas as decisões".

Destaco a crónica de João Paulo Guerra "Ainda me lembro ..." na qual o jornalista faz um percurso por eventos que vivenciou na Renascença e no Rádio Clube (então ainda Português).
Escreve JPG:
"Lembro-me, na noite de 25 de Novembro de 1967, quando já havia umas centenas de mortos contados nas inundações de Lisboa e arredores, a Censura decidir que a partir daquele momento não morria mais ninguém".

Por fim, refiro o texto que assino intitulado "O referendo ao aborto na rádio - O olhar da classe política".

2 comentários:

Helena Freitas disse...

Olá.

Acabo de encontrar a referência à peça sobre as cooperativas.(Muito obrigada!)
Acrescento que contactei 12 rádios regionais em busca de um modelo similar ao da TSF.
Eis o que concluí: existem muitíssimas cooperativas de radiodifusão, mas nenhuma das que contactei era uma cooperativa de jornalistas.
Ou seja, no geral têm um ou dois jornalistas entre os cooperadores, mas apenas isso. E mesmo os melhores exemplos não tinham uma maioria de jornalistas.
Gostava de ter incluído esta informação na peça, mas os limites de espaço não o permitiram.

Luis Bonixe disse...

Helena,

Obrigado pela informação.